Editorial: A lição de Zonta

Por Rafael Guedes, editor da revista D’Pontaponta | Foto: Divulgação

Dois dos aspectos mais interessantes da entrevista que nos foi concedida pelo empresário Pedro Joanir Zonta, presidente do Condor Super Center, são os seguintes: 1) sua coragem e 2) sua iniciativa. Para quem não sabe, a história dele é a história de um verdadeiro “homem que venceu por conta própria”, como diz a famosa expressão americana.

Corria o ano de 1974. Zonta tinha apenas 22 anos quando soube que um pequeno mercado do bairro Pinheirinho, em Curitiba, estava à venda. O imóvel tinha 110 m², estrutura precária, dois caixas e cinco funcionários. O negócio não parecia muito promissor, mas Zonta decidiu pagar para ver. Como não tinha o capital necessário, ele vendeu o próprio carro e fez um empréstimo para realizar o investimento. Isso é o que qualquer pessoa normal chamaria de coragem.

Quando passou o imóvel para seu nome, ele se deparou com outro problema: como tocar o negócio? Foi aí que ele fez valer toda sua capacidade de iniciativa. Zonta não esperou que alguém lhe dissesse o que fazer ou como fazer. Enquanto aprendia na prática, ele observava o que atraía a clientela nos concorrentes e adquiria conhecimento sobre o setor. “Para ter as informações de que eu precisava para gerenciar a loja, passei a ler tudo o que podia, participei de cursos sobre o setor, conversava com os fornecedores, analisava tudo nos mínimos detalhes”, relembra ele na matéria que estampa a capa da atual edição de D’Pontaponta.

Os esforços deram resultado e, dez meses depois, o imóvel já não era suficiente para atender à demanda. Zonta, então, comprou o terreno ao lado e construiu um prédio com três pavimentos, cada um com 320 m². “Eu imaginava que a nova loja resolveria os problemas. Mas, com o aumento do número de clientes e do faturamento, ela também ficou pequena”, comenta. O empresário então adquiriu mais um terreno na mesma rua e ergueu uma nova loja, com estrutura de 1,1 mil m², inaugurada em 1978. “Para mim, esse foi o início de tudo”, garante. O Condor agora já tinha 75 funcionários e 12 caixas. A abertura da primeira filial ocorreria um ano depois.

Passados 45 anos do início dessa epopeia, o Condor Super Center hoje conta com 50 lojas, entre super e hipermercados, em 18 cidades do Paraná e Santa Catarina. A rede dispõe de mais de 40 mil itens e atende, mensalmente, a cerca de 4 milhões de clientes, com o apoio de mais de 13 mil colaboradores. Isso para não falar dos 14 postos de combustível do grupo, instalados em várias cidades. Quer saber mais? Leia a matéria. E aprenda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *