Diocese de Ponta Grossa envia missionários à Amazônia

Seminaristas, diácono e três leigos viajam dia 9

O bispo dom Sergio Arthur Braschi fez o envio, na noite desta terça-feira (3), de um grupo de seis missionários para a Prelazia de Lábrea (AM). Um diácono e sua esposa, dois seminaristas e duas leigas embarcam na próxima segunda-feira para passar um mês na região amazônica, de 9 de dezembro a 10 de janeiro. Essa é a segunda leva de missionários enviada pela Diocese de Ponta Grossa à prelazia, nesta época do ano. Em 2018, viajaram duas leigas e dois seminaristas à circunscrição eclesiástica, onde a diocese mantém sacerdotes desde 2012, dentro do Projeto Igreja-Irmã.

              Lábrea fica a 852 quilômetros de Manaus, no Amazonas. O padre José Nilson Santos embarcou em missão em outubro de 2016, quando foi substituir o primeiro missionário diocesano, padre José Lauro Gonçalves Gomes, que ficou quatro anos na prelazia. Ao todo, são quatro paróquias, situadas em quatro municípios. Em 2018, embarcaram para a região a coordenadora do Conselho Missionário Diocesano, Neuci Marques de Jesus; a coordenadora diocesana da Infância Missionária, Sueli Aparecida Guimarães, e os seminaristas Jeferson Davi Sviercoski Sanches e Gabriel Pereira Freytag.

             Dom Sergio lembrou que, apesar de não ser para um período longo, o envio tem a força do Espírito Santo, “que vocês vão levar, vão receber; que continua o envio dos apóstolos, dos discípulos e discípulas de primeira hora.  Vocês vão verdadeiramente levar o Evangelho de Cristo. Para algumas pessoas que vocês vão encontrar, em algum breve instante, vocês deixarão algo que vai tocá-las, que mudará suas vidas. É preciso ir com a consciência que o envio é uma graça, que vai funcionar”, dizia o bispo, que celebrou a cerimônia no dia  de seu aniversário e de São Francisco Xavier, seu padroeiro.

             Segundo o bispo, este segundo envio representa o crescimento da ligação com a Igreja-irmã da Prelazia de Lábrea. “Estreita laços e as pessoas voltam com uma experiência que vai marcar a vida e, certamente, frutificar em outros missionários. Deus vai utilizar a presença dessas pessoas, as palavras que dirão, o testemunho que darão, para tocar alguns corações, para, quem sabe, pessoas voltem para Cristo, que se encontrem com a Igreja. E serão muitas pessoas tocadas pela coragem de nossos missionários de irem para lá”, acrescentou dom Sergio.  

              O diácono Pedro Lang,  que, com sua esposa, Salete, passou quatro anos na Missão Católica São  Paulo VI, na Guiné Bissau, na África, lembrou a força de uma Igreja que envia. “Missionário é aquele que, de fato, é enviado por uma Igreja para uma outra Igreja para estar no meio do povo. “Ter  um bispo que, diariamente, reza pela gente; ter por detrás uma Igreja que reza, que celebra um envio missionário…isto não é pouco, isto é muito. Vocês terão essa experiência para viver lá e perceberão a força desse envio. Nos quatro anos na África, a gente ouvia essas orações. Vocês seis são corajosos, mas saibam que são escolhidos”, destacou, ao que, Salete complementou. “Alguns corajosos, alguns um pouco loucos, mas a missão é feita assim. É algo muito bonito dessa nossa Igreja poder testemunhar esse amor de Deus. Parece pouco (tempo), mas é muito, especialmente para os que lá estão, esperando uma palavra, esperando este missionário que chega”, frisou.

              Embarcam dia 9 para Lábrea o diácono Gilson Camilo dos Santos e sua esposa Bernadete; os seminaristas Iuri Nack Buss e André Emanuel França, a leiga consagrada Flávia Carla Nascimento e a jornalista Cláudia Aparecida Carneiro.                 

da Assessoria Diocese

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *